A Associação de Residentes de São Domingos de Benfica (ARSDB) propõe que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) garanta um estacionamento por agregado familiar na respectiva zona de residência e propõe o conceito de ‘viatura essencial’.

● De acordo com esta associação, “apesar dos sucessivos alertas e propostas para a resolução do problema de estacionamento das viaturas dos residentes, o comportamento persecutório da CML e EMEL endurece sem o cuidado de consultar a população local para conhecer as suas dificuldades e tentar melhorar a situação”.
Para a ARSDB, a “comunidade ainda não está totalmente capacitada de ser inibida de ter pelo menos uma viatura disponível para as deslocações essenciais dos agregados familiares”, acrescentando que não estão “convencidos com o investimento da CML nos transportes públicos e em outros meios de mobilidade para apoiar quem tem de se deslocar a Lisboa vindo de zonas limítrofes”. Os moradores acusam a CML de não ser compreensiva com estas dificuldades e “penalizar os residentes de Lisboa, com a EMEL a multar e a rebocar as suas viaturas”.

A proposta


No sentido de contribuir para a resolução destes problemas, a ARSDB lançou recentemente uma ideia para facilitar o estacionamento automóvel dos fregueses. O conceito, designado ‘Viatura Essencial’, consiste em garantir, por parte da EMEL, o estacionamento de uma viatura por agregado familiar na sua zona de residência.
A proposta da ARSDB implica a “distinção do dístico da primeira viatura de cada agregado familiar com uma cor diferente da normal dos correntes dísticos para que se perceba que se trata de viatura essencial” e a “publicação de lugares disponibilizados pela EMEL para este tipo de viatura e número de dísticos ‘viatura essencial’ por zona de residência, promovendo a transparência e organização dos bairros”.
Para estes moradores, deve ser dada “prioridade e garantia de estacionamento na zona de residência para a primeira viatura de cada agregado familiar”, assim como a continuação da possibilidade de solicitar o dístico para viaturas adicionais (não essenciais) de residentes, “mas com direito a segunda zona de estacionamento que inclua parque automóvel ou bolsas de estacionamento destinadas para o efeito”.
Na base da proposta está a ideia de que cada agregado familiar deve ter a garantia de um lugar de estacionamento para uma viatura, “utilizada com maior frequência cumprindo as deslocações básicas, essenciais e urgentes, com destinos, como por exemplo, hospitais, farmácias, supermercados, escolas, etc.”.
No final de Julho, a ARSDB prevê promover um inquérito sobre esta matéria e apresentar uma proposta formal à CMLf
JORGE ALVES

[bdp_ticker ticker_title=”Últimas” theme_color=”#dd9933″ font_color=”#000000″ font_style=”bold-italic” ticker_effect=”fade”]

Quanto vale este artigo?

A SUA CONTRIBUIÇÃO É UM FACTOR DE PROTECÇÃO DA INDEPENDÊNCIA EDITORIAL DO ‘FREGUÊS’. CONTRIBUA PARA A DEFESA DA CAUSA PÚBLICA E A INVESTIGAÇÃO DE QUESTÕES CRÍTICAS PARA A VIDA COMUNITÁRIA.

PUB







Comente esta notícia

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.