museu RACA Câmara Municipal de Cascais (CMC) chegou a acordo com o Exército Português e o Ministério da Defesa Nacional quanto à criação de um Museu dedicado à Artilharia de Costa e à Fortificação Marítima na História de Portugal, no alto da Parede, nas antigas instalações da 2.ª Bataria do Regimento de Artilharia de Costa (RAC), que se encontram degradadas e ao abandono. Uma das entidades que tem seguido o processo negocial e confirmado no terreno, “com desgosto”, o abandono e degradação das instalações previstas para instalação do museu é a Associação dos Amigos da Artilharia de Costa Portuguesa (ARTCOSTA), com a qual o jornal ‘FREGUÊS DE CARCAVELOS PAREDE’ contactou para saber mais pormenores sobre o projecto museológico.

● Segundo uma fonte da direcção, a “ARTCOSTA encara com grande satisfação o acordo da CMC com o Ministério da Defesa/Exército para a criação do museu”, sendo o corolário de um longo período de negociações, “que atravessou diversos governos, autarcas do município de Cascais e o Exército, depois da extinção do RAC, há mais de 20 anos, e especialmente desde que em 2014 foi estabelecido um protocolo de intenções, com esta finalidade”.
O mesmo responsável “espera que o acordo seja mais que uma mera transferência de responsabilidades e se possa concretizar em toda a sua essência com a interajuda das instituições envolvidas, às quais a associação procurará dar a colaboração possível”. A mesmo fonte revela que a ARTCOSTA “desconhece qual será o modelo de investimento e de gestão que o Município prevê para o espaço”, acrescentando que esta associação “está especialmente vocacionada para cooperar e constitui o principal repositório de conhecimento e de interesse sobre o fim em vista”.
O nosso interlocutor assinala que “a Associação sempre teve conhecimento de que terá um papel neste projecto” e deverá ter um espaço para desenvolver a sua actividade de colaboração na sua concretização e desenvolvimento. Não obstante, uma certa cultura de centralismo democrático instalada no Estado e na Administração Pública, tem impedido uma maior participação na boa governança dos bens públicos e do património, tendo o município de Cascais auspiciosos exemplos de inclusão”.
Entretanto, a Associação terá uma sede em instalações cedidas pela Junta de Freguesia na Estrada da Torre, cuja inauguração está atrasada devido à crise sanitária que “tem adiado e inviabilizado o programa de que gostaríamos de revestir esse acto, com a envolvência das forças vivas e população em geral”.

Seja dos primeiros a saber!  Bairro do Barão: moradores contra acessos à antiga Legrand

Ligação afectiva é importante

A contribuição da ARTCOSTA será preciosa para a história daquele lugar porque os seus associados são “ex-militares que ali prestaram serviço” e “possuem o conhecimento e a vivência que pode enriquecer o projecto museológico”, além da “ligação afectiva à comunidade próxima e aos milhares de ex-militares espalhados pelo território nacional, assim como aos que em muito países do Mundo prestaram serviço nesta arma e nas suas necessárias especialidades”.
O mesmo interlocutor adianta que a associação “sempre acompanhou com particular atenção o desenrolar do processo negocial em torno do museu e procurou influenciar por diversas formas o seu desenvolvimento”. Ao mesmo tempo alertava a opinião pública com iniciativas, visitas, debates, publicações e convívios de ex-militares, com eco na Comunicação Social e no interior da instituição militar. “Esta atenção foi paralela ao crescimento e fundação da própria ARTCOSTA, que inscreveu nos seus objectivos a necessidade urgente de preservar este património, de o converter numa memória viva da defesa costeira, espaço de convívio, lazer e cultura das comunidades mais próximas, locais dinamizadores do conhecimento da História e do património cultural militar português”.
Apesar da degradação e vandalização dos espaços e estruturas que o “FREGUÊS CARCAVELOS PAREDE’ tem vindo a denunciar, a ARTCOSTA defende que “continuam a existir potencialidades suficientes para a execução do projecto, especialmente assente na arquitectura e fortificação militar existente”. O futuro museu poderá “ser enriquecido com os materiais em tempos retirados pelo Exército e que eram a parte fundamental do seu equipamento, além do espólio da própria Associação e de possíveis doações que se venham a verificar”.
A ARTCOSTA acompanhou “com particular desgosto” o abandono a que foi votada a 2.ª Bataria e as instalações da Artilharia de Costa em geral, “sempre chamando a atenção para a necessidade de suster esse abandono e vandalização, ao mesmo tempo que apontava caminhos e projectos e realçava os exemplos positivos (poucos) a nível nacional e outros espalhados pelo Mundo”.
No entender da associação, os maus resultados quanto à conservação daquele património deveram-se “aos estrangulamentos de recursos humanos e financeiros do Exército, associados à deficiente articulação entre o Governo e o Município”.

Seja dos primeiros a saber!  Requalificação implica investimento de 3,2 milhões

ARTCOSTA contribui para promover comunidades

De acordo com mesmo dirigente, a ARTCOSTA “não deixará de colocar a tónica na relação deste tipo de património com as comunidades locais, muitas vezes nascidas, ou desenvolvidas, a partir da influência dos militares e suas famílias, bem como da economia por eles gerada”. As novas funções das antigas instalações militares vão abrir novos caminhos “não apenas pela relação afectiva dos locais, dos ex-militares, mas igualmente pelas possibilidades de Turismo Histórico, militar e até de natureza paisagística, uma vez que é deslumbrante o horizonte que destes locais se avista”.
O envolvimento de outras estruturas com as mesmas características da região de Lisboa e Setúbal, não será esquecido. Uma Rota da Artilharia de Costa e da Fortificação Marítima Portuguesa, abrangendo toda a grande Área Metropolitana de Lisboa, de Mafra a Setúbal, está a ser pensada. “A investigação académica, a classificação do património a diferentes níveis, a articulação estratégica ao nível local, regional e nacional, constituem grandes desafios num futuro próximo”, sublinha a mesma fonte.
Além dos municípios do estuário do Tejo e de Setúbal, esta iniciativa deverá abranger também os Açores e a Madeira.f

Seja dos primeiros a saber!  Aulas à distância: a dança dos computadores

LUIS CURADO

[bdp_ticker ticker_title=”Últimas” theme_color=”#dd9933″ font_color=”#000000″ font_style=”bold-italic” ticker_effect=”fade”]

Quanto vale este artigo?

A SUA CONTRIBUIÇÃO É UM FACTOR DE PROTECÇÃO DA INDEPENDÊNCIA EDITORIAL DO ‘FREGUÊS’. CONTRIBUA PARA A DEFESA DA CAUSA PÚBLICA E A INVESTIGAÇÃO DE QUESTÕES CRÍTICAS PARA A VIDA COMUNITÁRIA.

PUB







Comente esta notícia

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.