As Avenidas Novas estão na linha da frente do combate à COVID-19 em Lisboa. É na freguesia que se localiza o único hospital da Capital preparado para receber adultos infectados. Entretanto, os cultos religiosos suspenderam celebrações e as escolas foram encerradas. Também no turismo já sente o efeito da pandemia.

A freguesia ficará para a História por ter estado na primeira linha do combate a uma pandemia mundial, ou não acolhesse (pelo menos até 13 de Março) a única unidade hospitalar de referência em Lisboa para internamento de adultos infectados e suspeitos de contagio pelo vírus Covid-19: o Hospital Curry Cabral.

Segundo apurámos junto do hospital, onde dezenas de profissionais de saúde já estavam de quarentena devido ao seu trabalho, no dia 12 de Março existiam ali 14 quartos de pressão negativa, especialmente destinados a pessoas suspeitas de contágio e infectadas, e era um dos locais para realização de colheitas e análises destinadas a despistar a patologia, 24 horas por dia.

TURISMO PERDE RESERVAS

A freguesia acolhe igualmente muitas unidades hoteleiras que, como no resto do País, sofrem o impacto da pandemia Covid-19. A directora de um hotel da freguesia admitiu ao nosso jornal que desde que surgiu o primeiro caso de infecção em Portugal, a sua unidade registou cancelamento de reservas de quartos, essencialmente por parte de estrangeiros, sem identificar nacionalidades.

Para tanto, terá contribuído o adiamento da feira de turismo BTL para 27 a 31 de Maio. Fonte de outro hotel admitiu também um impacto negativo da pandemia nas reservas do grupo a que pertence esta unidade hoteleira.

O Hotel White Lisboa, em informação prestada no dia 11 de Março, também admitia prejuízos com o fenómeno e quebras de 20 a 25 por cento nas reservas em Março, especialmente entre espanhóis, franceses e italianos.

O adiamento da BTL terá também contribuído para a quebra. Segundo esclareceu a mesma fonte, o hotel implementou um plano de contingência que se traduz num “quarto ou andar para isolamento, conforme a gravidade da situação”. E alertou os colaboradores “para estarem atentos aos próprios sintomas e aos de terceiros (clientes, fornecedores, colegas)”, que devem ser reportados às autoridades de saúde nos casos suspeitos.

Num périplo por vários hotéis da freguesia realizado na altura em que se registaram os primeiros casos de infecção no nosso País, confirmámos a instalação de soluções desinfectantes para higiene das mãos junto à recepção das unidades (Intercontinental, Sheraton e White, por exemplo).

Fonte do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa, na fronteira da freguesia, admitiu que a unidade estava aberta “e operacional e continuava a receber hóspedes e clientes”. Esta unidade hoteleira confirmou ter implementado “maiores precauções nas medidas de manuseio, higienização, desinfecção e limpeza de alimentos”.

Teresa Farias, da Associação de Alojamento Local de Portugal, admitiu que nesta actividade os pedidos de cancelamento começaram na semana de 1 a 7 de Março, mas que só no final do mês é que se terá uma ideia do efeito da pandemia no sector. Todavia, manifestou preocupação com a “falta de novas reservas, dado que temos assistido a uma redução significativa”. Uma situação que, a manter-se, “é preocupante porque a maior parte do sector é composto por pequenas unidades com uma estrutura financeira muito fragilizada”, referiu.

EDUCAÇÃO E IGREJAS

No sector educativo, está em vigor a imposição do Governo de encerramento dos estabelecimentos de ensino de todos os níveis, públicos e privados, até às férias da Páscoa. Esta medida será reavaliada a 9 de Abril.

Apurámos ainda junto dos respectivos párocos que nas igrejas de Nossa Senhora de Fátima e de São Sebastião da Pedreira estavam a ser seguidas as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa nos espaços e actos de culto público que. actualmente, se encontram suspensos até se manter a situação de emergência devido à pandemia COVID-19.

Estavam igualmente a ser seguidas as orientações das autoridades de saúde pública, como a afixação de folhetos informativos sobre prevenção do contágio. Outros cultos religiosos tomaram medidas semelhantes, como a Aliança Evangélica, com pouca presença na freguesia, cujas indicações também evoluíram para um fecho de portas “para cultos e outras actividades durante, pelo menos, duas semanas”.

Entretanto, o Governo decidiu também, entre outras medidas, encerrar os espaços de diversão nocturna, reduzir em um terço o acesso de clientes a restaurantes, suspender as visitas a lares de idosos e centros de dia e limitar o acesso a centros comerciais e espaços públicos de forma a evitar grandes ajuntamentos de pessoas.

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN ENCERRADA

A Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) anunciou que “face à pandemia de coronavírus e na sequência das orientações da Direcção-Geral da Saúde, decidiu cancelar os próximos concertos da temporada Gulbenkian Música no Grande Auditório”, acrescentando que as medidas estarão em vigor, pelo menos, até 3 de Abril. No site da FCG indicam-se os concertos cujos bilhetes podem ser reembolsados.

Também a piscina, o ginásio, o polidesportivo e o pavilhão da Junta de Freguesia estão encerrados até 3 de Abril, na sequência de uma decisão da Câmara Municipal de Lisboa de fechar temporariamente museus, galerias, bibliotecas e teatros municipais, piscinas geridas pela autarquia e pelas Juntas de Freguesia.

COVID-19

O QUE É
O COVID-19 é um vírus que afecta os seres humanos, provocando infecção semelhante a gripe comum ou pneumonia, mas distingue-se da gripe por não ter uma vacina e ter maior taxa de mortalidade.

SINTOMAS
Febre, tosse, falta de ar (dificuldade respiratória), cansaço, pneumonia grave com insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos e eventualmente morte

PERÍODO DE INCUBAÇÃO
Entre 2 a 14 dias, mas ainda sob investigação

COMO SE TRANSMITE
• Gotículas respiratórias
• Contacto directo com secreções infeciosas
• Aerossóis em procedimentos terapêuticos que os produzem
• Tosse
• Espirro
• Contacto com superfícies ou objectos infectados seguido de contacto com a boca, nariz ou olhos

RECOMENDAÇÕES
• Lavar frequentemente as mãos, com água e sabão
• Usar lenços de papel (de utilização única) para se assoar
• Tossir ou espirrar para o braço com o cotovelo flectido, e não para as mãos
• Evitar tocar nos olhos, no nariz e na boca com mãos sujas ou contaminadas com secreções respiratórias
• Evitar contacto próximo com pessoas com infecção respiratória
• Uso de máscaras em pessoas com sintomas de infecção respiratória (tosse ou espirro), suspeitas de infecção e pessoas que prestem cuidados a suspeitos de infecção.

Advertisements

Comente esta notícia

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.