● O presente artigo de opinião baseia-se em factos públicos, disponibilizados na plataforma base.gov.pt, fornecidos pela Junta de Freguesia de Avenidas Novas (JFAN). Do referido portal retiramos o que às Iluminações de Natal respeita:

Em 03.12.2018, a JFAN celebrou um contrato, com preço contratual de €44.700,00, acrescido de IVA à taxa legal;
Em 31.10.2019, a JFAN celebrou um contrato, com preço contratual de €48.900,00, acrescido de IVA à taxa legal;
Em 14.12.2020, a JFAN celebrou um contrato, com preço contratual de €52.900,00, acrescido de IVA à taxa legal.

Por sua vez, verificamos que, no que respeita a aquisição de cabazes de Natal a oferecer a famílias carenciadas:

Em 04.12.2018, a JFAN celebrou um contrato, com preço contratual de €7.203,25, acrescido de IVA à taxa legal (não é especificado o número de cabazes adquiridos);
Em 20.11.2019, a JFAN celebrou um contrato, com preço contratual de €11.052,80, acrescido de IVA à taxa legal (aquisição de 220 cabazes de Natal);
Em 13.11.2020, a JFAN celebrou um contrato, com preço contratual de €13.028,40, acrescido de IVA à taxa legal (aquisição de 220 cabazes de Natal).

Posto isto, conclui-se o seguinte:
Ao longo destes três anos o valor pago em cabazes alimentares equivale a 16%, 22,6% e 24,6% do valor pago por iluminações de Natal. Num ano de extraordinários desafios, como se revelou 2020, a JFAN entendeu apoiar o mesmo número de famílias (220) que tinha apoiado em 2019 (ano em que se registou o valor mais baixo de desemprego em Portugal dos últimos 27 anos).
Num ano em que muitas famílias perderam o emprego e os seus rendimentos foram drasticamente reduzidos, muitos idosos foram votados ao isolamento, e que todos nós estivemos obrigados ao dever de recolhimento, nas Avenidas Novas optou-se por dar primazia às luzes de Natal, em vez de se contribuir com bens alimentares. Resta-nos dizer que algo vai mal na freguesia central de Lisboa.f

Nota final: muitas luzes de Natal não iluminaram as ruas da freguesia porque nem sequer foram ligadas.f

PUB







Comente esta notícia

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.