● No ano em que se celebra o centenário do nascimento do investigador, professor e historiador de arte Carlos de Azevedo (1918-1995),
a Biblioteca de Arte e Arquivos da Fundação Calouste Gulbenkian
recebeu, por doação dos seus herdeiros, o espólio constituído por um
conjunto documental de 22 dossiers de extrema importância para o estudo
da história da arte em Portugal do período moderno.
Na sua extensa bibliografia, destaca-se a obra “Solares portugueses: introdução ao estudo da casa nobre”, cuja 1.ª edição data de 1969 foi
considerada a primeira investigação aprofundada sobre a arquitectura
civil erudita em Portugal e que resultou de um levantamento por si realizado. No espólio existe a correspondência entre Carlos de Azevedo e
historiadores de arte seus contemporâneos, como Robert Smith, cujas
investigações sobre o barroco em Portugal e no Brasil foram
patrocinadas pela Fundação Calouste Gulbenkian, como Charles Boxer e Harold Livermore, historiadores britânicos com obra importante no âmbito da história portuguesa.f

Comente esta notícia

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.