● O macaco-capuchinho que fugiu do Jardim Zoológico de Lisboa (JZL) no passado dia 17 de Outubro, não foi o primeiro animal a escapar do parque, segundo apurou o nosso jornal junto da funcionária de um café da Estrada das Laranjeiras, onde o primata foi visto e posteriormente resgatado após pouco mais de uma hora de fuga. “Já vimos pavões, que voam para a rua, mas que são logo em seguida capturados pelos tratadores do Jardim Zoológico”, relata.
Desta vez, fugiu um primata de “uma espécie de pequeno porte de cerca de 40cm de comprimento e em média 3kg de peso”, na sequência de “uma disputa entre os animais por questões territoriais e de dominância”, informou o JZL em comunicado.  Segundo a nossa fonte, logo que foi visto na Estrada das Laranjeiras, o animal, em estado de aparente desorientação, fugiu para uma oficina de automóveis daquela rua. Um funcionário da oficina confirmou-nos que o animal se refugiou no piso inferior do estabelecimento e foi capturado por tratadores do JZL. O primata esteve sob observação no hospital do Zoo para se determinar o seu bom estado de saúde.
A ocorrência foi registada por agentes policiais da PSP da 21.ª Esquadra de Campolide e o JZL abriu um inquérito à fuga do animal.

Mais três leopardos
Entretanto, o Jardim Zoológico anunciou o nascimento, a 23 de Maio, de três crias de Leopardo-da-pérsia (Panthera pardus saxicolor). O nascimento destes animais, cuja espécie está classificada como “em perigo” pela União Internacional para Conservação da Natureza, vem reforçar o Programa Internacional de Reprodução e Reintrodução da Espécie e trazer esperança a um felino em declínio desde os anos 50.
Segundo José Dias Ferreira, coordenador do programa europeu de reprodução desta subespécie de leopardo, “as crias estão saudáveis e já é possível observá-las a explorar a instalação exterior com Elin, uma excelente progenitora, muito protectora.”  O nome de uma das crias pode ser escolhido pelo público. Noah, Zangezur e Talish são as hipóteses. O primeiro parece recolher as preferências.f

Comente esta notícia

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.