Quinta dos ingleses: petição defende suspensão de plano de urbanização

Quinta dos ingleses: petição defende suspensão de plano de urbanização

18 de Outubro de 2023 0 Por Diana Correia Cardoso

A 1 de Agosto foi lançada uma petição intitulada ‘Pela Protecção da Mata da Quinta dos Ingleses’ a pedir a suspensão do plano de urbanização da Quinta dos Ingleses.



● Segundo os peticionários, “a Mata da Quinta dos Ingleses precisa de ser protegida, porque dela depende o ecossistema da Praia de Carcavelos”. Os subscritores admitem que actualmente aquele espaço está “descuidado e maltratado”, mas sublinham que “esta mata com as suas muitas árvores desempenha um papel essencial na estabilidade e retenção dos solos, e por conseguinte, do areal da praia de Carcavelos, prevenindo a erosão do recorte natural da orla costeira”. Na petição refere-se que não é “mera coincidência que nas duas praias com maior extensão de areia, Carcavelos e Guincho, existam zonas extensas de mata na sua proximidade”.

Para os peticionários, “o actual projecto poderá colocar em causa a preservação da praia de Carcavelos como a conhecemos agora”.

Os signatários sublinham que “nos últimos anos, esta zona adjacente à praia de Carcavelos tem sido sujeita a grande pressão urbana, sendo disso exemplo a implantação do complexo da Lisbon School of Economics da UNL e também a construção da Escola de Saúde agora em curso na ponta oposta da praia”.

Os peticionários defendem a criação de um projeto de valorização e preservação do bosque existente e da área envolvente, “que respeite e crie uma harmonia com a praia e com áreas urbanas que o rodeiam”, contribuindo para “a sustentabilidade da costa portuguesa, e que tanto tem servido como lugar de interesse turístico, desportivo, lazer e bem-estar”. No fecho desta edição do ‘FREGUÊS DE CARCAVELOS PAREDE’, a petição tinha 599 assinaturas.

Mata mitiga alterações climáticas

A investigadora Lilla Schottner, formada em sustentabilidade urbana e residente em Cascais, reconheceu o espaço verde da Quinta dos Ingleses como um meio natural de importante preservação. A diminuição dos efeitos das alterações climáticas, a preservação das espécies e a melhoria da saúde mental e física são alguns dos benefícios associados ao parque.

Os 52 hectares de floresta da Quinta dos Ingleses constituem “o melhor meio para mitigar as alterações climáticas”, referiu Lilla Schottner, uma investigadora de origem húngaro-americana. Com o aumento da urbanização de Lisboa, o efeito das ilhas de calor agravou-se.

A presença do espaço verde da Quinta dos Ingleses permite fortalecer a resiliência climática do território e cria uma protecção contra os ventos fortes. A alteração do clima provocado pela urbanização que se prevê construir no local, poderá ter influência na qualidade do Vinho de Carcavelos. As mudanças na linha costeira resultantes do aumento do nível das águas do mar, as inundações, as secas e a erosão do solo são outros factores que o parque natural ajuda a combater.

Segundo o estudo, além da preservação ambiental e da redução dos efeitos das alterações climáticas, o espaço natural da Quinta dos Ingleses é o habitat de lebres, coelhos, ouriços e várias espécies de aves. Essa biodiversidade é favorecida pela presença de polinizadores como as abelhas, as borboletas, os pássaros e os morcegos que lá se estabelecem pela vegetação diversificada.

Os benefícios de protecção da saúde e bem-estar podem ser amplificados, argumenta a autora da investigação: “é possível instalar infraestruturas destinadas a incentivar a prática segura de exercício físico, bem como sinalética sobre a vida selvagem e a segurança”. As actividades recreativas interligam-se com o ambiente natural, como é o caso da observação de aves, a caminhada e o ciclismo.

Câmara de Cascais ignora recomendações

A execução do Programa de Pormenor do Espaço de Reestruturação Urbanística de Carcavelos Sul (PPERUCS), foi aprovado pela Câmara Municipal de Cascais (CMC), na sessão do dia 18 de Julho, que incluiu a operação de loteamento da Quinta dos Ingleses. Esta decisão parece não considerar a Resolução da Assembleia da República n.º 208/2021, aprovada por proposta do PAN em 2021, que exigia ao Governo a classificação daquele espaço como ‘Paisagem protegida de âmbito local’, assim como a moção proposta por aquele partido na Assembleia de Freguesia de Carcavelos e Parede, aprovada em 2021, no sentido da rejeição do projecto de loteamento previsto para a Quinta dos Ingleses.

A urbanização, cujos promotores são a construtora Alves Ribeiro e o Colégio Saint Julian’s, prevê a construção de 850 apartamentos, em edifícios até 9 andares, 3 hotéis e zonas comerciais, reduzindo para 10 hectares o bosque centenário existente actualmente.

  • ●As ‘ilhas de calor’ são zonas urbanas que apresentam temperaturas mais altas do que as áreas à sua volta. O primeiro registo foi feito em 1833 pelo meteorologista Luke Howard, considerado pai da meteorologia moderna. No entanto, o termo ‘ilha de calor’ foi cunhado pela primeira vez em 1958 pelo meteorologista americano William H. Vogt.

    Este fenómeno é causado por uma série de factores, entre eles: a falta de vegetação, que ajuda a regular a temperatura; a presença de edifícios altos, que bloqueiam a circulação do ar e a abundância de superfícies como asfalto, que absorvem o calor e libertam-no lentamente.

    As ‘ilhas de calor’ têm uma série de consequências para a população, como o crescimento da mortalidade e o aumento dos custos de saúde.

    No entanto, existem medidas que diminuem este fenómeno: criação de espaços verdes; diminuição da circulação de veículos motorizados e utilização de materiais de construção que reflectem o calor.


Este artigo vale:

€0,50
€0,80
€1,00

Agradecemos o seu contributo para uma imprensa local autónoma, independente e livre.

Donativo




Author